Agosto – o TeE conferiu!

Agora nesses tempos de pandemia, muitas peças estão disponíveis online, e Agosto é uma delas. Vem saber o que a gente achou dessa montagem e assiste no link do final da página!

Escrito por Tracy Letts, Agosto conta a história de uma família que até tentou ficar unida, mas acaba desconectada, e desiste de tentar.
Na trama, é retratado o momento em que Beverly, o marido de Violet e pai de Barbara, Ivy e Karen, desaparece e a família se junta novamente. Violet é uma mulher forte que luta contra um câncer de boca, já passou por situações difíceis durante a vida e agora lida com o sumiço do marido e a volta das filhas que não vê a muito tempo, principalmente Barbara, sua predileta.
Com personalidades quase idênticas, as duas tem embates frequentes. Violet guarda profunda mágoa de Barbara porque ela não voltou pra casa quando soube do seu câncer, mas voltou quando o pai desapareceu.

Em meio a isso a peça retrata o quanto uma foto bonita de álbum de família esconde por trás, que todas as famílias tem problemas e defeitos e alguns são tão grandes que jamais os de fora imaginariam, o que não faz faltar um bocado de amor, afinal, é família!

Um destaque muito bacana é o cenário e a forma como são montadas as cenas do espetáculo.
A montagem divide o palco nos cômodos da casa em que se passa a história, avisa Paes Leme: “A ação passeia por todos os cômodos e a proposta do autor é que o espectador possa ver simultaneamente todos os ambientes. Na nossa concepção, as cenas são sobrepostas: a personagem que está num determinado ambiente estará exatamente ao lado de outra que ocupa outra área da casa. Gradativamente, as diferentes cenas vão convivendo no palco”.

Mesmo com um final triste, isso não faz de Agosto uma tragédia. Tracy Letts usa recursos do melodrama, da comédia de costumes, das sitcoms da televisão norte-americana e do vaudeville, mantendo a unidade formal, a coerência interna e estética da sua obra.
Apesar de um texto denso, Agosto não deixa a desejar no quesito risadas, há certa descontração durante a peça o que nos faz ter um misto de sensações, alegria, tristezas, e principalmente te faz sair pensando em como apesar de todos os erros, famílias são famílias e não são perfeitas.

Informações:
Assista a peça no link:
https://vimeo.com/230652422

Texto por: Gabrielle Risso (mas pode me chamar de Gabi)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s