Rapte-Me Agora – Deve Haver Vida Inteligente Em Outra Parada De Ônibus.

Na montagem, UMA vai ao encontro de OUTRO, e isso seria um fato corriqueiro se este OUTRO não se recordasse mais de UMA. A trama traz o (des)encontro de dois jovens desajustados, e a sua relação com o meio em que vivem – amores, família, amigos, – permeando entre “verdades padronizadas” e “mentiras originais”. A encenação acontece em um ambiente cotidiano, ao se passar em um ponto de ônibus.

O enredo faz alguns giros sobre a memória e a afetividade dos personagens. Elenca o que nos é caro e o que está sujeito ao descarte. Será que o que guardamos foi realmente o mais importante? E este ato de “guardar” não seria uma prisão ao espírito das juventudes?

O dramaturgo Ed Anderson contou sobre o universo da peça. “Existe uma lacuna em peças que retratam jovens protagonistas. O grande mote do texto é a memória, um jogo sobre verdade e mentira. Os personagens mostram suas fragilidades, querem romper o caos urbano, são encontros e desencontros que não sabe onde vai parar. Representam uma negação até das redes sociais, são seres que questionam essas novas mídias”.

Uma das inspirações para a criação dramatúrgica foram os filmes dos Irmãos Dardenne, cineastas belgas que trabalham com um viés mais humanista e de transformações em suas obras, características que estão impregnadas no texto.

O ator José Sampaio ressaltou a atmosfera que envolve a montagem. “É uma relação ambígua e misteriosa, trazendo identificação e distância entre os dois em cena. São jovens adultos que não têm uma carga de maturidade, diferentemente das gerações anteriores. Eles são altamente ligados à infância e juventude. Meu personagem está em um ponto de ônibus e não sabe qual o destino final. Se encontra no meio em um limbo cheio de fragilidades diante desse mundo”.

O outro lado da história fica com o papel interpretado por Michelle Boesche. “Minha personagem vive com a bicicleta, possui uma visão crítica em relação a poluição e tecnologia, é extrovertida, criativa, poética, tem sempre opinião para tudo. Ela tenta uma conexão com o outro personagem. Valoriza a questão da presença física em tempos virtuais”.

“O espetáculo abre muitas interpretações, é um jogo sobre memória, relações perdidas, trabalha com a questão de nostalgia. São pessoas que vivem no mundo da fita K7, vinil e possuem uma nostalgia de outra época. Fala sobre uma juventude que todos temos ou já tivemos”, conclui Cynthia Falabella.

SERVIÇO:
Quando: de 17 de janeiro a 16 de fevereiro.
Horário: Sextas, às 21h; Sábados, às 20h; Domingos, às 18h.
Local: Espaço das Artes – SESC SANTO AMARO
Endereço
: Rua Amador Bueno, 505, Santo Amaro
Classificação: 16 anos.
Duração: 80 Minutos.
Ingressos: R$ 30,00 (inteira). R$ 15,00 (estudantes, +60 anos e aposentados, pessoas com deficiência e servidores da escola pública). R$ 9,00 (Credencial Plena válida: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes). 
Horário de funcionamento da Unidade e bilheteria: Terça a sexta, das 10h às 21h30. Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h30.
Estacionamento da unidade: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional (Credencial Plena); R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional (outros).
Disponibilidade: 158 vagas para carros e 36 para motos. A unidade possui bicicletário gratuito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s