Fomos conferir: Barrela

O TeE assistiu Barrela, que está em cartaz no Teatro Cemitério de Automóveis em SP, e sério: APENAS ASSISTAM!
Continua com a gente e vem ver o que achamos!

Barrela foi o primeiro texto escrito por Plínio Marcos em 1958 e proibido pelo governo da época, Inspirado na história de um garoto santista que foi preso por uma briga atoa de rua e violentado na cela.

A montagem com direção de Mário Bortolotto é uma junção perfeita com o texto de Plínio e te faz sair do teatro no mínimo impactado. A forma como é mostrado o garoto sendo violentado (alerta de spoiler!) é um tanto intrigante. Você não vê realmente algo mas você vê, e se impressiona. A trilha sonora completa a obra de arte, em momento nenhum você sente que possa estar fora do lugar e não consegue imaginar a peça sem ela. É o laço que fecha o presente dado a nós por Bortolotto.

A montagem conta a história de um grupo de homens confinados em uma prisão em Santos. A cela é uma espécie de barril de pólvora pronto para explodir. Bereco (interpretado pelo próprio Bortolotto), o xerife da cadeia tenta manter a ordem sob um regime severo, o que parece ser impossível dada as condições em que os presos estão. É quando começa uma disputa entre eles questionando a masculinidade de um deles. A violência se acentua quando um garoto que havia sido preso por se meter uma briga de rua é colocado na cela junto com os outros, que resolvem violentá-lo.

Escrito em 1958, o texto teve uma única apresentação em 1959 e só foi remontado em 1978, com a abertura política pós ditadura militar. A trama foi inspirada na história real de um garoto de Santos que foi preso por uma bobagem e acabou violentado pelos outros presos da cela. Quando ele saiu da prisão, tramou o assassinato de quatro desses caras.
Como esta foi sua primeira peça, Plínio Marcos ainda não tinha qualquer noção sobre como escrever para o teatro. Na época, sua amiga Patrícia Galvão, a Pagu, leu o texto e já considerou o jovem autor, de apenas 21 anos, um gênio.

Aproveita o final de semana e vai assistir! O TeE indica!

Informações:
Até 1º de dezembro
Às sextas e aos sábados, às 21h; e aos domingos, às 20h
Teatro Cemitério de Automóveis – Rua Frei Caneca, 384, Consolação
Classificação: 16 anos

Texto por: Gabrielle Risso (mas pode me chamar de Gabi)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s